Hoje: 28/11/2020
    Horas: 00:00:00
×
Taxista é suspeito de injúria racial e agressão física contra passageiro

Taxista é suspeito de injúria racial e agressão física contra passageiro

  • 21/11/2020
  • Record TV Minas

Um taxista de Belo Horizonte é suspeito de ter cometido um ato de injúria racial e de agredir fisicamente um passageiro após o fim de uma corrida.

O consultor de tecnologia Valdir Dorotéio de Jesus, de 42 anos, afirma que os desentendimentos começaram logo que ele entrou no veículo. O motorista estava sem máscara e o passageiro pediu que ele colocasse a proteção. O taxista atendeu o pedido, mas teria ficado incomodado.

Na sequência, ao fim da corrida, o motorista não interrompeu a contagem do taxímetro e o valor da corrida continuou aumentando mesmo após ter terminado. O passageiro pediu para realizar o pagamento por cartão de crédito, mas o motorista alegou que a maquininha estaria sem carga. Segundo Jesus, os xingamentos teriam começado neste momento.

— Eu disse que aceitaria pagar o valor que estava no taxímetro no momento da chegada, mas ele não aceitou. Começou a gritar, falando para eu sair do carro dele.

O restante da confusão foi registrada por câmeras de segurança de um prédio do Centro de Belo Horizonte. Jesus entra no edifício, mas é seguido pelo taxista. Na sequência, os dois começam a discutir, até que o motorista agarra o pescoço da vítima, e, na sequência, o empurra para dentro do prédio.

— Ele tenta me enforcar e depois ainda me empurrou. A vontade dele de agredir é tamanha que ele chegou a retirar a máscara e me chamar de “macaco”.

 

Injúria


O porteiro do edifício, Juscélio dos Santos, afirma ter observado boa parte da confusão. Ele alega que tentou separar a briga, mas, ao ser xingado pelo taxista, a vítima decidiu sair do prédio e encarar o suspeito.

— Eu tentei segurar ele, mas aí o motorista chamou ele de “ladrão”. Não teve como, ele saiu e disse que ia chamar a polícia para ele.

Logo após o desentendimento, Valdir de Jesus acionou a Polícia Militar e registrou um boletim de ocorrência. Durante o depoimento, o suspeito acusa o passageiro de ter batido a porta com violência, e, ao sair para verificar se ela havia sido danificada, teria sido agredido pelo consultor. Ele também negou ter chamado o motorista de “macaco” e “ladrão”.

A defesa da vítima afirma que já entrou na Justiça pedindo uma punição para o taxista e também reparação por danos morais. Para a revolta da vítima, o suspeito não foi preso. Valdir de Jesus afirma que não se cala diante de ofensas deste tipo e tenta ensinar seus filhos à agirem da mesma maneira.

— A nossa luta é muito maior do que eu. Muitas pessoas não têm voz para falar sobre o que sentem. Eu já ensinei meus filhos à não ficarem calados.

    Compartilhar:

Patrocínio

Patrocínio:

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho