Hoje: 20/02/2020
    Horas: 00:00:00
×
MG:  Prefeito morre e é o primeiro a ser enterrado em nova área de cemitério construída na gestão dele

MG: Prefeito morre e é o primeiro a ser enterrado em nova área de cemitério construída na gestão dele

  • 23/01/2020
  • G1 Grande Minas

José Pedro Pires da Rocha, de Bonito de Minas, morreu de infarto na sexta-feira, e corpo foi sepultado no domingo. Caso lembra história da novela 'O Bem-Amado'.

 

O corpo do prefeito de Bonito de Minas, município do interior de MG, foi o primeiro a ser enterrado na nova área do cemitério municipal, obra da gestão dele. O caso lembrou a história da novela "O Bem-Amado", de Dias Gomes, exibida pela TV Globo em 1973.

José Pedro Pires da Rocha (PSB), o Zé Galego, tinha 64 anos e morreu na sexta-feira (17) após sofrer um infarto durante uma viagem de Brasília para Bonito de Minas. Ele havia ido à capital para assinar documentos para doação de máquinas ao município, que tem cerca de 11 mil habitantes. O sepultamento aconteceu no domingo (19).

Em "O Bem-Amado", o prefeito da fictícia cidade de Sucupira, o corrupto Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo), é eleito com a promessa de campanha "Vote em um homem sério e ganhe um cemitério".

No entanto, Odorico enfrenta dificuldades para inaugurar a obra, já que ninguém morre na cidade, razão pela qual o político passa a criar uma série de situações que resulte na morte de alguém. No fim, quem acaba morrendo é o próprio prefeito, que consegue assim "inaugurar" o cemitério.

Antes mesmo da morte de Zé Galego, moradores de Bonito de Minas chegaram a mencionar coincidência.

 

 

"Já haviam falado com ele sobre a novela, mas ele dizia que não acreditava nisso”, conta Miqueias Figueredo (PTB), vereador e amigo do prefeito.

 

O vereador esclarece que a obra de ampliação era uma reivindicação da população e dos vereadores, já que a parte antiga do cemitério tem mais de 50 anos e não comportava mais túmulos.

"Tivemos vários transtornos, moradores foram enterrar seus entes e havia outras ossadas no lugar. O Zé não era natural daqui e a família não tinha um espaço na parte do cemitério que já existia, por isso, pediram que fosse enterrado na parte nova", diz Miqueias.

A obra de ampliação do cemitério começou por volta de outubro de 2019 e ainda não tem data para terminar. A Prefeitura precisa construir uma capela e fazer adequações à infraestrutura, como instalação de banheiros e interligação à rede de água e esgoto.

Miqueias lembra também como ocorreu a morte de Zé Galego:

"Ele viajava sozinho de carro e passou mal. Foi até um hospital, onde permaneceu em observação, mas acabou liberado. Em seguida, voltou ao hotel para buscar as malas e continuar a viagem. Passou mal novamente, foi em outra unidade de saúde, infartou e morreu".

O vereador diz que ele próprio tinha sido convidado por Zé Galego para acompanhá-lo na viagem, mas não pôde ir por razão de compromissos.

 

De caminhoneiro a prefeito

 

Ao contrário de Odorico Paraguaçu, político corrupto e cheio de artimanhas, Zé Galego era um "homem correto e honesto", afirma o vereador Miqueias Figueiredo.

Ele conta que o amigo era natural de Sete Lagoas e chegou ao Norte de Minas Gerais para trabalhar transportando carvão. Tempos depois, tornou-se como taxista na Comunidade de São Sebastião do Catulé. Na época, seguindo conselhos dos passageiros que levava, candidatou-se a vereador, mas não se elegeu.

Nas eleições seguintes, tentou novamente e foi eleito vereador, primeiro cargo político que ocupou. Em 2012, elegeu-se vice-prefeito e voltou a ocupar o cargo após o pleito seguinte.

Zé Galego assumiu a Prefeitura de Bonito de Minas depois que o então ocupante do cargo, José Reis (PHS), afastar-se ao ser eleito deputado estadual, em 2018.

"Eu já fui oposição, mas conheci o trabalho dele e passei a apoiá-lo. Foi um prefeito que conseguiu contornar as dificuldades financeiras do município para pagar salários e outras despesas em dia", diz Miqueias, sobre o amigo.

"De tanto cuidar dos interesses da população, acabou esquecendo dele e, infelizmente, morreu em virtude de um problema de saúde."

Um dos filhos de Zé Galego disse ao vereador que o pai tinha passado mal há dois anos e um médico apontou, na época, que ele tinha uma veia com sinais de entupimento.

 

Novo prefeito

 

Com a morte de Zé Galego, quem assume a Prefeitura é Dilson Santana (PP), que era presidente da Câmara. Ele já apoiou a administração anterior, mas, após divergências, passou à oposição.

"No fim do ano, eu estive com o Zé e expliquei o porquê de estar no lado contrário, e ele ouviu meus motivos. Éramos opositores, mas de forma respeitosa. A morte dele surpreendeu a todos e causou muita comoção”, afirmou Santana, que diz estar fazendo um levantamento para dar sequência aos trabalhos no município.

Ele afirma que o novo desafio se impôs no momento em que não pensava tentar se reeleger.

"Fui vereador por duas vezes, quando você se candidata a um cargo, assume os desafios e tem que estar preparado para tudo. Mas confesso que não pensava em tentar a reeleição, desanimei com a política, ao perceber que muitos pensam em tirar proveito próprio e não colocam a população em primeiro lugar.

 

    Compartilhar:

Patrocínio

Patrocínio

Recados


De: Rebotec para Ao Interessados
Recado:Ultimamente tá difícil a vida de pedreiro ou carpinteiro no município... Governo cria o MEI para legalizar a atividade e a administração fere a lei para se beneficiar em recolhimento acima do permitido. Em contrapartida têm em suas obras as ilegalidades trabalhistas onde não se sabe se ganham pela prefeitura ou pela empresa licitatória. Mas em tempo que vereador vai para o ponto P e bate no ponto C, fica difícil de um fiscalizar o outro. Enquanto isso vamos construindo uma cidade melhor, pois pelos órgão públicos o prejuízo é grande.
De: Contribuinte para Para Administração Pública
Recado:Boa tarde! A grande maioria dos pioneiros sabem da história complicada do Bairro Guaranorte. Sou morador do Jardim Vitória e estamos em recuperação de ruas, daquele jeito, mas está saindo. Agora o que me preocupou com tristeza é o descaso com o pessoal daquele bairro, para trafegar precisa tirar par-ou-impar entre os veículos. E aquela ponte de madeira! Alguém sabe se é patrimônio histórico? Até parece território desmembrado do município, lá também existe arrecadação de impostos (água, luz e telefone)... e votos. Seria ótimo serem lembrados... pronto falei.
De: Eterno Opositor para Contribuinte aloprado
Recado:Hein, fala mais com minha mão aqui. bibibi.... acho que você é alopradinho e não percebeu que também tinha testemunhas....mas....vi que é alopradinho, puxou estorinhas do baú, sítio do pica-pau amarelo, etc para querer parecer com a razão. beijinho